Segunda-feira, 12.10.09

Fellay: "Time will show who is serious about it"

Entrevista a Monsenhor Bernard Fallay, publicada na DICI, sobre as discussões doutrinais e teológicas com Roma (tradução do Rorate Caeli e destaques meus):


 


With the lifting of the decree of excommunication, the doctrinal discussions will be taking place between Rome and the Fraternity of St. Pius X. What is the goal of these discussions?


 


The goal that we wish to achieve with these doctrinal discussions is an important clarification in the teaching of the Church in recent years. Indeed, the Fraternity Saint Pius X, in union with its founder, Archbishop Lefebvre, had serious objections to the Second Vatican Council and we hope that the discussions will help to dispel the errors or the severe ambiguities that have since been spread with full hands throughout the Catholic Church, as John Paul II himself recognized.



How long will these discussions last? What are the main points that will be addressed and in what fashion?

 

I have no idea how long the discussions will last. It will certainly depend on the expectations of Rome. They could take a long time. This is because the topics are very broad. Our main objections to the Council, such as religious liberty, ecumenism, and collegiality are well known. However other objections could be raised such as the influence of modern philosophy, liturgical novelties, the worldly spirit and its influence on modern thought which has run rampant throughout the church.



Both rosary crusades have borne fruit. With regards to the Motu Proprio of July 2007, what should our attitude be towards the priests who celebrate the traditional Mass now, even if not exclusively, since they say the New Mass regularly?

 

Basically, whenever a priest wants to return to the traditional Mass, it is our duty to approach that with a positive attitude; we should rejoice in it and hope that the Mass produces its fruit. Today we already see that this is what happens most of the time. There are also, of course, priests who remain indifferent to the ancient rite. Time will show who is serious about it and who is not.



What advice can you give to the faithful concerning these priests? What should be the approach of the laity be towards them?

 

The faithful must be very cautious and not get themselves into embarrassing situations. They should consult our priests before approaching these priests. The circumstances are so variable: every priest is different and until it is clear that the attitude of the priest toward the Mass is authentic, the faithful must remain gracious while maintaining a cautious position.



To your knowledge, is there now a greater number of priests who celebrate the Mass of all time exclusively?

 

It is difficult to give an exact answer because there is no official record and because many of those who would like to celebrate the old Mass dare not. In many countries there is a strong pressure from the hierarchy to prevent its return. Many priests have to say it in secret out of fear. However I believe that the number is growing modestly.



The crisis of the Church is a crisis of faith. It will take some time until all priests say only the "old" Mass. Is it correct to say that even if, through the doctrinal discussions Rome returned to the fullness of truth, there would always be much opposition about the Mass and Vatican II?

 

We must be realistic. The return, the restoration of the church will take time. The crisis in the Church has affected all aspects of Christian life. To come out of this situation will take more than a generation of constant effort in the right direction - perhaps a century. This means that we must expect resistance. But let’s hope that the worst has passed and that the signs of recovery we see today are the seeds of reality and not just a dream ...



Collegiality has been a disaster for the Church. Can we not see in spite of everything, a slight "crack in the wall of collegiality" with the Motu Proprio of Pope Benedict XVI and more recently with the withdrawal of the decree of excommunication?

 

Indeed, these decisions are really his. There is a way to correctly understand true collegiality. Paul VI added a "preliminary note" to the document on the Church, Lumen Gentium, that collegiality is to be understood properly. The problem is that this note seems to be forgotten. The general idea that has been propagated and that falsely reduces significantly the powers of the sovereign pontiff is a real danger to the Church and makes governing it impossible. Thus, the various acts of the Pope given "motu proprio" are good signs of a willingness to govern the Church personally and not corporately.

 

There have been so many comments – both for and against - the decisions of the Pope that he was obliged to write a letter of explanation to the bishops. Is this a good thing that the pope finds himself “up against the wall", so to speak?

 

It actually depends on the point of view. The authority of the Pope was truly shaken by the tumult at the beginning of the year. It can only be regarded as a good thing due to the opposite effect that it would bring upon Rome, which will allow us to understand who loves the Church and works to build it and who does not.




For the first time in 40 years we see the supreme authority of the Church recognize that there are problems both theological and doctrinal. Does the Pope not realize that the "conciliar church" (to use the words of Cardinal Benelli), and its reforms are doomed and that a return to tradition is necessary?


 


I'm not sure everyone sees the doctrinal discussions in that way. I would say that for most of the hierarchy these discussions are necessary, not for the Church, but for us and our "return to full communion" to adopt the new ways. In fact, I feel that we are facing a very delicate situation. The reality of the crisis is acknowledged, but not the remedies. We say, and it is proven by the facts, that the solution to the crisis is a return to the past. Benedict XVI said the same thing: He emphasizes the importance of not breaking with the past (the hermeneutic of continuity), but he maintains the improvisations of the council as though they are not a break with this past. According to him the only ones which are wrong and break with the past are those which go beyond the council. It is a very sensitive issue.




The Pope's position on ecumenism does not seem to be as enthusiastic as that of his predecessor. Is it because he sees ecumenism as something more theological as opposed to "ut unum sint" with its dire consequences for the Church?


 


I do not think the Pope sees ecumenism as a bad thing. He cherishes the fact that the Church continues in this direction and he even said that it was irreversible ... but he seems to want to differentiate between the various faiths and favor those who are nearer such as the Orthodox rather than the Protestants.




This year we celebrate 25 years of the presence of the Society in Africa, specifically the Priory of Our Lady of Sorrows in Johannesburg. What advice or encouragement can you give our parishioners and to all the faithful of the district of Africa?


 


Thank God for this wonderful anniversary. Given the length of the crisis, 25 years is a great achievement for which we must give thanks. It also demonstrates great loyalty from the faithful. Loyalty is a true glory. It involves the preservation of faith, steadfastness, and perseverance in the battle. So, the best wish I could offer them – to all of us – is that they would be more faithful than ever.

publicado por Afonso Miguel às 22:53 | link do post | comentar
Segunda-feira, 17.08.09

A autodestruição do relativismo dá-se no erro de...

... afirmar que não existe uma verdade absoluta e que isso é, em si, uma verdade absoluta que abrange com tolerância todos os absolutismos presentes no conjunto, impondo-lhes uma relativização que a tudo padroniza pela ausência de um critério moral que, reconhecido na Lei transcendente, fosse reflectido na constituição política da comunidade e assim servisse de medida ao homem. O "homem-medida", que é a perda daquela transcendência do encontro com o Outro, é a encarnação da autodestruição do relativismo que, por sê-la, há-de autodestruir-se.

publicado por Afonso Miguel às 21:31 | link do post | comentar

Da Verdade que liberta

A Verdade não tem versões, não faz concessões e não está nas multidões.

publicado por Afonso Miguel às 21:25 | link do post | comentar
Segunda-feira, 16.03.09

Dos que crêem que em nada devem crer [V] - reavaliando Nietzsche

O "sentimento de poder" de que Nietzsche fala é a auto-idolatria, um encontrar da fonte do critério no homem, numa lógica pagã e mitológica. Não admitindo que o poder lhe foi dado pelo Criador, o homem deslumbra-se na possibilidade inventada de ser o próprio Deus e de dar um qualquer sentido à realidade consoante a norma que mais lhe aumente o "sentimento".

Esta substituição de Deus pelo egocentrismo individualista - a que hoje pomposamente chamam de "humanismo", como se fosse a grande virtude tolerante da humanidade - é pois evidente em Nietzsche, mas permitam-me arriscar discordando da categorização filosófica que lhe foi imposta. Reparemos que Nietzsche afirma que Deus morreu, não que este não existe. Talvez haja aqui uma compreensão da inevitabilidade do Ser divino como fonte de todo o poder. Contudo, o que sucede em Nietzsche não é a negação daquele Outro, mas a recusa de encará-Lo e de sofrer com a sua Verdade - o caminho deste conhecimento implica sempre o pathos do fiat voluntas tua. Até a projecção do Super-Homem, que mais não é que o poderoso tecnocrata moderno que garante a pacificação segundo a sua própria concepção de justiça, acarreta uma antevisão do espírito que hoje se rende à satisfação da sua vontade e dos perigos de a não regular no sentido oposto ao do domínio autocrata.

Nietzsche sabia da necessidade de uma constituição que não estivesse à mercê das convenções. Ainda assim, sabia igualmente que a razão da queda do anjo era a inveja: Lúcifer é expulso da presença de Deus porque queria ser como Deus. Nietzsche sabe ainda que há fundamento inquestionável na divisa de S. Miguel "Quis ut Deus?". No entanto, no que não acredita é que ao homem seja possível resistir à tentação demoníaca de colocar o dedo na constituição da comunidade, isto é, que o homem é tendencialmente protestante e que esse protestantismo é, também ele, tendencialmente surrealista.

Portanto, a reavaliação que é necessária para a compreensão de Nietzsche é que este, acima de tudo, se rendeu à fraqueza humana e ao cansaço do espanto perante a Verdade. Nietzsche não era ateu, mas era ateísta; não era descrente, mas acreditava profundamente que a única via possível e alcançável era a do "nada", a do niilismo. Nietzsche desistiu da Verdade, não porque não a reconhecesse, mas porque escolheu não sofrer servi-la e porque, em último caso, já não lhe importava sequer que esta existisse ou não.
publicado por Afonso Miguel às 21:33 | link do post | comentar | comentários (2)
Domingo, 15.03.09

Dos que crêem que em nada devem crer [IV]

Friedrich Nietzsche, in A Vontade de Poder:
Não há outro critério da verdade senão o crescimento do sentimento de poder.
tags:
publicado por Afonso Miguel às 20:55 | link do post | comentar

Dos que crêem que em nada devem crer [III]

O vazio criado pelo niilismo é absolutamente preenchido pela crença no "nada" - que se distingue substancialmente de em nenhuma coisa acreditar (condição que pode acarretar a convicção de que algo poderá vir ainda a ser digno de crédito). Longe de se contentar com a contradição limite desse vazio dogmático, a religião do espaço e do tempo sem o sentido do Outro flui sempre para a criação ideológica. E a ideologia, como produtora de verdades que justifiquem anteriormente a acção que lhe é consequente, não busca o conhecimento pelo reconhecimento ou pela aceitação (pela contemplação), mas por um processo criativo sem critério exterior fixo que o regule. O critério passa a ser o homem sem critério, em nova contradição.

Daqui surgiram as mortíferas filosofias políticas do pós-revolução francesa, das quais destacam-se com especial terror os totalitarismos europeus do comunismo e do seu enteado nacionalista alemão. Consoante conveniências mais ou menos perceptíveis - as da vergonha dos germânicos é bem sabida - são inventados inimigos que justifiquem um estado actual pior do que o desejado no futuro, pelo que se torna imperioso o seu combate sob as mais tiranas formas. Só os judeus servem de base à perda do espaço-vital, à crise económica alemã, à permanente conspiração contra a nação e, por fim, à formulação da ciência que tentou desvendar a superioridade da raça para ser linha condutora da justificação moral do nazismo.

Em último caso, o niilismo é, em si, uma ideologia. É aquilo a que poderíamos chamar de neo-religião positivista, servida pelos mais escabrosos sacerdotes.
publicado por Afonso Miguel às 20:09 | link do post | comentar
Quinta-feira, 12.03.09

Dogma e preconceito

G. K. Chesterton, in Disparates do Mundo (What's wrong with the World?):
Pessoa há que não gostam da palavra «dogma». Felizmente são livres e dispõem de alternativa. Há duas e não mais ao alcance da mente humana: dogma e preconceito. A Idade Média foi uma época racional, um tempo de doutrina. A nossa época é, na melhor das hipóteses, uma época poética, um tempo de preconceitos. Uma doutrina é um ponto definido; o preconceito é uma direcção. Que um boi possa ser comido e um homem não, constitui doutrina. Que o menos possível de qualquer coisa deva ser comido, é um preconceito, a que por vezes se chama ideal.
tags:
publicado por Afonso Miguel às 18:04 | link do post | comentar
Domingo, 01.03.09

A Verdade doí

Sobre o sofrimento (pathos) que Platão descobriu na busca filosófica da Verdade, e sobre a sua relação hostil com a opinião (doxa) relativa a cada ser, Hannah Arendt escreve em A Promessa da Política:
A diferença entre os filósofos, que são poucos, e os outros, que são muitos, nada tem - como Platão já assinalava - a ver com uma qualquer ignorância por parte da maioria do pathos do espanto (perante a Verdade), consistindo apenas no facto de aquela se recusar a sofrê-lo. Esta recusa exprime-se naquilo a que se chama doxadzein, na formação de opiniões sobre assuntos sobre os quais o homem não pode ter opiniões porque os critérios comuns e comummente admitidos do senso comum não lhes são aplicáveis.
publicado por Afonso Miguel às 22:50 | link do post | comentar
Terça-feira, 24.02.09

Sobre a extorsão da privacidade e da capacidade moral

Hannah Arendt, in A Promessa da Política:
Nós, por outro lado, que vivemos a nossa experiência de organizações de massa totalitárias cuja primeira preocupação é a de eliminarem qualquer possibilidade de solidão - excepto sob as formas inumanas do isolamento prisional - , não sentimos dificuldade em comprovar que, sem a garantia de um mínimo dessa solidão do si-próprio consigo próprio, são abolidas não só as formas seculares da consciência moral, mas também todas as suas formas religiosas. É a este nível que se torna explicável que, como foi muitas vezes notado, a própria consciência moral deixasse de funcionar sob as condições de uma organização política totalitária, e que isso se verificasse em boa medida sem que interviesse o medo do castigo. Nenhum homem que não possa tornar efectivo o diálogo consigo próprio, que dizer nenhum homem privado da solidão que todas as formas de pensamento requerem, poderá conservar a integridade da sua consciência moral.
publicado por Afonso Miguel às 17:35 | link do post | comentar
 

posts recentes

escudo_ASC
facebook-button twitter-button

links

revistanaçaoportuguesa

tags

arquivo

RSS