Quinta-feira, 17.05.12

As conversações vão continuar?

Via News.va (negrito meu):



Vatican City, 16 May 2012 (VIS) - Early this afternoon, the Holy See Press Office issued the following communique regarding the Society of St. Pius X:


 


"As reported by news agencies, today, 16 May 2012, an Ordinary Session of the Congregation for the Doctrine of the Faith met to discuss the question of the Society of St. Pius X.


 


In particular, the text of the response of Bishop Bernard Fellay, received on 17 April, 2012, was examined and some observations, which will be considered in further discussions between the Holy See and the Society of St. Pius X, were formulated.


 


Regarding the positions taken by the other three bishops of the Society of St. Pius X, their situations will have to be dealt with separately and singularly".



 


***


 


Entretanto, surgiu este rumor (ver também aqui):



Circulou nos últimos dias pela blogosfera italiana um rumor de que Bento XVI teria sido informado sobre “preâmbulo-Fellay” antes mesmo dos Cardeais, dando informalmente, de antemão, o seu “nihil obstat”. Esta comunicação, supostamente intermediada pelo secretário do Papa, Monsenhor Georg Gänswein, teria levado Fellay a lançar declarações públicas e internas sobre a importância do apelo do Papa.

publicado por Afonso Miguel às 00:05 | link do post | comentar
Quarta-feira, 16.05.12

Fellay: "Se o reconhecimento vier é graças a ele [Bento XVI] e apenas a ele"

Entrevista de D. Bernard Fellay ao Catholic News Service, agência de notícias da Conferência Episcopal dos EUA:


 





 


A entrevista pode ser lida aqui. Fellay reconhece: "I cannot exclude that there might be a split".



MENZINGEN, Switzerland (CNS) -- The leader of a breakaway group of traditionalist Catholics spoke in unusually hopeful terms about a possible reconciliation with Rome, but acknowledged significant internal resistance to such a move, which he said might lead to the group splitting apart.

Bishop Bernard Fellay, superior general of the Society of St. Pius X, spoke to Catholic News Service May 11 at the society's headquarters in Switzerland about the latest events in more than two years of efforts at reconciliation with the Vatican.

The society effectively broke with Rome in 1988, when its founder, the late Archbishop Marcel Lefebvre, ordained four bishops without the permission of Blessed John Paul II in a protest against modernizing changes that followed the Second Vatican Council of 1962-65.

In April the society responded to a "doctrinal preamble" stipulating the group's assent to certain church teachings, presumably including elements of the teaching of Vatican II, as a prerequisite for reconciliation. The Vatican has yet to respond, but the director of the Vatican press office initially described the latest position as a "step forward."

The society is hardly united behind its leader's position, however. In April, according to a letter which surfaced on the Internet May 10, the society's other three bishops warned Bishop Fellay that the Vatican's apparent offer to establish the group as a personal prelature -- a status currently held only by Opus Dei -- constituted a "trap," and urged him to say no.

"There are some discrepancies in the society," Bishop Fellay told CNS. "I cannot exclude that there might be a split."

But the bishop defended his generally favorable stance toward the Vatican's offer against the objections of his peers.

"I think that the move of the Holy Father -- because it really comes from him -- is genuine. There doesn't seem to be any trap," he said. "So we have to look into it very closely and if possible move ahead."

He cautioned, however, that the two sides still have not arrived at an agreement, and that unspecified guarantees from the Vatican are still pending. He said the guarantees are related to the society's traditional liturgical practices and teachings, among other areas.

"The thing is not yet done," the bishop said. "We need some reasonable understanding that the proposed structure and conditions are workable. We are not going to do suicide there, that's very clear."

Bishop Fellay insisted the impetus for a resolution comes from Pope Benedict XVI.

"Personally, I would have wished to wait for some more time to see things clearer," he said, "but once again it really appears that the Holy Father wants it to happen now."

Bishop Fellay spoke appreciatively of what he characterized as the pope's efforts to correct "progressive" deviations from Catholic teaching and tradition since Vatican II. "Very, very delicately -- he tries not to break things -- but tries also to put in some important corrections," the bishop said.

Although he stopped short of endorsing Pope Benedict's interpretation of Vatican II as essentially in continuity with the church's tradition -- a position which many in the society have vocally disputed -- Bishop Fellay spoke about the idea in strikingly sympathetic terms.

"I would hope so," he said, when asked if Vatican II itself belongs to Catholic tradition.

"The pope says that ... the council must be put within the great tradition of the church, must be understood in accordance with it. These are statements we fully agree with, totally, absolutely," the bishop said. "The problem might be in the application, that is: is what happens really in coherence or in harmony with tradition?"

Insisting that "we don't want to be aggressive, we don't want to be provocative," Bishop Fellay said the Society of St. Pius X has served as a "sign of contradiction" during a period of increasing progressive influence in the church. He also allowed for the possibility that the group would continue to play such a role even after reconciliation with Rome.

"People welcome us now, people will, and others won't," he said. "If we see some discrepancies within the society, definitely there are also (divisions) in the Catholic Church."

"But we are not alone" in working to "defend the faith," the bishop said. "It's the pope himself who does it; that's his job. And if we are called to help the Holy Father in that, so be it."

publicado por Afonso Miguel às 23:41 | link do post | comentar | comentários (2)
Terça-feira, 15.05.12

Superior do Benelux: "We are not a democracy! We do not have collegiality."

O Padre Benoît Wailliez, Superior do Distrito do Benelux da FSSPX, pregando no Domingo em Bruxelas (selecção, destaques e tradução no Rorate Caeli; video original em francês no Gloria TV):



And, of course, at this very moment we cannot not think of our founder, of Mgr. Lefebvre. What would he have done, today, in 2012? How would he judge the situation? And here we might be tempted to “make Abp. Lefebvre speak”. And this, I would say, might be a bit too easy. We can make Abp. Lefebvre say whatever we want! You will find texts – he did, after all, speak openly from the Council in the sixties until his death in 1991, so, during thirty years. He said many things concerning the Church, adapted to the circumstances at that very moment. Concerning this or that crisis, or concerning some favourable gesture of the Pope or a Bishop. It is very difficult, but at the same time maybe too easy, to let someone who is dead speak. However that may be, it is clear that Abp. Lefebvre never refused to go to Rome! And we must add that Rome, also at that moment, was infected by Modernism and Liberalism.


 


(...) It cannot be denied that our current canonical situation is not normal. And we cannot not desire that one day our situation will be regularized. This is only normal.


 


(...) You see, my dear faithful, when we talk about the Second Vatican Council, and about one of the grave problems in the Church, we talk immediately about collegiality. That democracy was installed in the Church, where everyone says what he wants, thinks what he wants and opposes everything, even the Pope. Let us pay attention that we will not have that same situation in our Fraternity! We are not a democracy! We do not have collegiality, where everybody can say what he wants, can put things on the Internet, pressure people, leak confidential documents... This is an absolutely lamentable situation! In contrast, my beloved faithful, in an army we follow our leader who has the grace of state to make the decision in this situation.


 


(...) Bp. Fellay has called an extraordinary General Chapter for early July that will take place after the priestly ordinations and a retreat, (...) and this Chapter will deal with the questions of a canonical structure and of these important questions concerning the relations between the Fraternity and Rome.


publicado por Afonso Miguel às 15:35 | link do post | comentar

Williamson: not yet a Sedevacantist

A propósito da carta dos três bispos a Fellay, recordemos as palavras de Williamson há pouco mais de um ano (negrito é meu):



But note that Benedict XVI as arithmetician absolutely claims that he does believe that 2 and 2 are 4. And for as long as his claim is sincere, and it does appear to be sincere – God alone knows for sure – Benedict XVI is not wilfully denying what he knows to be defined truths of the Catholic Faith. Rather he is convinced, as Bishop Tissier shows, that he is “regenerating” them with the help of modern thinking! This makes it difficult to make the accusation of formal heresy stick in his case, which is why even his love and promotion of 2+2=5 does not yet make me personally into a Sedevacantist!



Habituei-me a respeitar e a ouvir Williamson. Defendi-o quando estalou o caso sobre os judeus. Mas estas palavras, aliadas à posição que assumiu com os seus colegas face a Roma, são a imagem perfeita dos tal sedevacantismo implícito, pelo menos colocado como hipótese, de que falei no último post.

publicado por Afonso Miguel às 15:16 | link do post | comentar
Segunda-feira, 14.05.12

A FSSPX é Igreja



 


Os recentes desenvolvimentos da novela em redor do acordo entre a FSSPX e a Santa Sé são absolutamente chocantes. Foram reveladas duas cartas, correspondência privada entre Mons. Fellay e os restantes bispos da Fraternidade: numa, Tissier, Galarreta e Williamson pedem ao seu superior-geral que não aceite o acordo; noutra, Fellay responde em sentido contrário (traduções no Fratres in Unum). Pelo que o Rafael Castela Santos escreve n' A Casa de Sarto, estas missivas chegaram às mãos de algumas pessoas ainda antes de surgirem num fórum. Portanto, acabaram por chegar igualmente a mãos erradas.


 


Esta situação é muito preocupante, essencialmente por duas razões. Primeiro, porque a devassa da vida privada e a quebra da confidencialidade são, obviamente, crimes e um pecado que a própria Fraternidade já condenou formalmente - o Rafael dá a entender ter sido levado a cabo por um sacerdote interno (!), provavelmente hispânico, e sai em defesa de Williamson no que respeita às suspeitas que sobre ele recaíram. Segundo, porque avoluma a verdadeira preocupação de quem está a favor da reconciliação: o cisma.


 


Se, em tempos, escrevi noutro espaço que, como tantos, pensava que a resolução canónica poderia ser uma armadilha, há muito que não posso deixar de concluir que não só não o é como estamos no momento certo para escutar o apelo de Deus através de Pedro. Mons. Fellay argumenta bem esta certeza na carta que enviou aos seus companheiros e demonstra-lhes ter também aquela mesma preocupação, agora certamente acrescida, de que uma divisão interna na Fraternidade motivada pela elevação a prelatura pessoal possa gerar um grupo marginal, movido por obediências pessoais a este ou aquele prelado, e por um certo sentimento anti-papista que é mais próprio do padre Cekada que de outra coisa qualquer...


 


A FSSPX tem a infelicidade de acolher nas suas capelas muitos simpatizantes de um sedevacantismo implícito, geralmente acompanhado de uma das piores maleitas que grassa pelo tradicionalismo, que é aquilo a que podemos chamar de orgulho espiritual. Este orgulho, que inspira em muito a posição sedevacantista, tem levado muitos a, na prática, encararem a Fraternidade como sendo a Igreja ("eles têm os templos, nós temos a fé", ouvi mais do que uma vez em Lisboa). Ora a Fraternidade não é a Igreja, toda ela, mas é Igreja. E é por isso que uma posição de separação formal será sempre indesejável. Se anteriormente a separação foi repetidamente necessária para poder levar avante uma acção de legítima desobediência (ela era desobediência em si), hoje, perante a possibilidade apresentada por Bento XVI, não faz mais sentido a não ser numa perspectiva errada quer da FSSPX quer do que é ser Igreja. A não ser, enfim, numa perspectiva suicida.


 


Lefebvre queria tanto tudo o que levou ao estado de necessidade, como ansiava por uma janela de oportunidade para acabar com esse pesado estigma. Neste caso, Roma abriu a janela, a porta e, sobretudo na pessoa do Sumo Pontífice, o próprio coração. Um coração sedento de tradição, como o atesta o movimento litúrgico e crítico do CVII que se desenvolve cada vez mais, e necessitado de uma força viva como a Fraternidade é e pode vir a ser. Este pontificado, a Igreja, chama a FSSPX precisamente quando são os modernistas que se levantam em posição de ruptura, como na Áustria.


 


Se os bispos Tissier, Galarreta e Wiliamson julgam vir a encontrar um Papa perfeito de quem não consigam levantar a mínima suspeita ou objecção, que esperem sentados. Só não levem os fiéis, os seminários, os sacerdotes e os consagrados da FSSPX para esse buraco sem fundo de exclusão, de dor e de perdição de almas. Poderemos ser levados a pensar que, havendo males que vêm para bem, acabaremos por separar o trigo do joio dentro da Fraternidade. Mas como, sabendo as consequências que isso acarretará?


 


Rezemos para que Fellay consiga manter a obra de Mons. Lefebvre unida para além de qualquer inevitabilidade de deserção. Rezemos muito! Que a Senhora do Rosário de Fátima nos auxilie, perdoe a quem deu a conhecer as cartas e nos acompanhe no caminho para Roma.


publicado por Afonso Miguel às 18:20 | link do post | comentar
Segunda-feira, 23.04.12

Um papado restaurador

Prada, sobre o sétimo aniversário da eleição de Bento XVI:



Un papado restaurador


SIETE años han transcurrido ya desde que Benedicto XVI ocupase la silla de Pedro; y el aniversario nos sirve de excusa para destacar aquí lo que a todas luces constituye el signo más distintivo y esperanzador de su papado, que no es otro sino la restauración doctrinal de la Iglesia, malherida tras las inercias, malos usos y flagrantes abusos acaecidos en época postconciliar. Quizá la acción más divulgada por la prensa de este designio restaurador haya sido el empeño del pontífice en afrontar sinceramente el escándalo de la pederastia en el clero, fenómeno no por marginal menos indigno y muy expresivo del azote del secularismo, que durante décadas ha campado por sus fueros en el seno de la Iglesia. Pero Benedicto XVI no se ha limitado a combatir las consecuencias de esta calamidad (según la receta propia de nuestra época, que pone farisaicamente cadalsos a las consecuencias, a la vez que entroniza las causas), sino que ha indagado las raíces del problema, descubriendo que su sanación verdadera sólo será posible si se combaten los errores doctrinales de fondo que han infectado a ministros y fieles; errores con los que se había transigido o contemporizado de forma un tanto irresponsable en pasadas décadas.


Muestras de este designio restaurador las tenemos por doquier; a algunas no les prestan atención ni los propios curas, que se resisten, por ejemplo, a poner reclinatorios en la comunión. Pero tal vez la muestra más llamativa (e incomprendida por muchos, aun en el seno de la propia Iglesia) sean los esfuerzos de acogida que Benedicto XVI está mostrando con la fraternidad sacerdotal de San Pío X, fundada por Marcel Lefebvre. En julio de 2007, Benedicto XVI promulgaba la carta apostólica «Summorum Pontificum», emitida en forma de motu proprio, en la que daba una mayor facilidad para la celebración de la misa tridentina. Posteriormente, en enero de 2009, Benedicto XVI levantaba en un decreto pontificio la excomunión a los cuatro obispos ordenados de forma irregular por Lefebvre; y en septiembre de 2011 Levada, prefecto de la Congregación para la Doctrina de la Fe, entregaba a Fellay, superior de la Fraternidad, un «Preámbulo Doctrinal» que, en caso de ser aceptado, pondría fin a la ruptura. Desde entonces, se han sucedido los contactos, que según los últimos indicios podrían resolverse con la plena regularización canónica de la Fraternidad.


A simple vista, puede parecer un episodio menor; pero tal vez se trate del gran acontecimiento de este papado. A pesar de las intemperancias mostradas por algunos miembros de la Fraternidad, a pesar de las resistencias y desconfianzas de muchos prelados, a pesar de la animadversión furiosa que ciertos sectores eclesiásticos progresistas (y también, por cierto, conservadores, en paradójica alianza) exhiben ante los «lefebvrianos», el Papa no ha cejado en su voluntad explícita de propiciar la reconciliación definitiva con este grupo tradicionalista. Benedicto XVI es un testigo privilegiado del «proceso de decadencia y autodestrucción» (empleamos expresiones suyas) que «fuerzas latentes agresivas, polémicas, centrífugas» desataron en el seno de la Iglesia, en las décadas posteriores al Concilio Vaticano II. En su esfuerzo por propiciar la regularización canónica de la Fraternidad de San Pío X que, en caso de consumarse, le acarreará incomprensiones por doquier y una feroz campaña mediática de desacreditación vislumbramos el propósito regenerador de un Papa que no se conforma con atajar las consecuencias funestas de un proceso degenerativo, sino que aspira a una auténtica regeneración del tejido enfermo. Gaudeamus igitur.

publicado por Afonso Miguel às 13:17 | link do post | comentar
Sábado, 14.04.12

Boas notícias

Quando em Janeiro aprovaram os rituais iniciáticos do Caminho Neocatecumenal, escrevi sobre as Missas desta autêntica "seita esotérica pseudo-judaica infiltrada na Igreja". Felizmente, quando o desfecho das conversações com a FSSPX parece estar iminente, o Santo Padre ordena que analisem a liturgia aberrante do CN para que esta não resulte, de facto, num novo rito. Boas notícias, sem dúvida. Temia que, aprovados os ritos, o CN avançasse ainda mais na revolução litúrgica, mas o Papa não dá ponto sem nó e o resultado está à vista.

publicado por Afonso Miguel às 16:31 | link do post | comentar | comentários (1)
Segunda-feira, 26.03.12

O início à vista

Como não podia deixar de ser, tenho abordado o tema das conversações entre a Santa Sé e a FSSPX que, estou em crer, têm como único e comum objectivo a reconciliação definitiva entre as "partes". Já o tinha afirmado e mantenho. O comunicado que a Congregação para a Doutrina da Fé emitiu no passado dia 16 de Março, reportando o estado dessas conversações, é mais um sinal disso mesmo. O Papa "deseja" a comunhão plena, a resolução do problema canónico, a abertura ao diálogo e à discussão sobre os problemas que motivaram Mons. Lefebvre. O contrario é considerado de ruptura com "dolorosas e incalculáveis consequências". O que Roma diz é, portanto, que a FSSPX é depositária de algo que a Igreja não pode mais ignorar e arriscar-se a perder:



COMMUNIQUÉ: MEETING BETWEEN THE PREFECT OF THE

CONGREGATION FOR THE DOCTRINE OF THE FAITH

AND THE SUPERIOR GENERAL OF THE SOCIETY OF SAINT PIUS X,

MARCH 16, 2012

 


During the meeting on September 14, 2011, between His Eminence Cardinal William Levada, Prefect of the Congregation for the Doctrine of the Faith and President of the Pontifical Commission Ecclesia Dei, and His Excellency Bishop Bernard Fellay, Superior General of the Society of Saint Pius X, a Doctrinal Preamble, accompanied by a Preliminary Note, was delivered to the latter, as the fundamental basis for achieving full reconciliation with the Apostolic See. This Preamble spelled out certain doctrinal principles and criteria for interpreting Catholic doctrine that are necessary to ensure fidelity to the Church’s Magisterium and sentire cum Ecclesia.



The response of the Society of St. Pius X to this Doctrinal Preamble that arrived in January 2012 was submitted to the Congregation for the Doctrine of the Faith for their review and was then forwarded to the Holy Father for his judgment. In compliance with the decision by Pope Benedict XVI, the evaluation of the response of His Excellency Bishop Fellay was communicated to him by a letter delivered to him today. This evaluation notes that the position that he expressed is not sufficient to overcome the doctrinal problems that are at the basis of the rift between the Holy See and the aforesaid Society.



At the conclusion of today’s meeting, out of a concern for avoiding an ecclesial rupture with painful and incalculable consequences, the Superior General of the Society of Saint Pius X was invited to be so kind as to clarify his position so as to heal the existing rift, as Pope Benedict XVI wished.


A FSSPX quer o mesmo? Obvio que sim. Foi criada para isso e nunca quis outra coisa. Se não o desejasse também, teria sequer iniciado este diálogo? Teria entrado na polémica pela polémica? Estaria agora, pela voz interna da fraternidade na Alemanha, a clamar por orações pelo "bem da Igreja" com "esperanças legítimas de uma solução satisfatória"?...

Tudo se ajeita, meus amigos. Esperemos pelo próximo mês. E entretanto, Mons. Nicola Bux fala por nós:



A Sua Excelência Dom Bernard Fellay e aos padres da Fraternidade Sacerdotal São Pio X
Excelência Reverendíssima,

Caríssimos Irmãos,

A fraternidade cristã é mais poderosa do que a carne e o sangue, porque ela nos oferece, graças à Divina Eucaristia, um antegozo do paraíso.

O Cristo nos convidou a fazer a experiência da comunhão, pois é nela que consiste nosso “eu”. A comunhão é estima a priori pelo próximo, porque nós temos em comum com ele o único Salvador. Por isso a comunhão está pronta a todo sacrifício em nome da unidade; e esta unidade deve ser visível, como nos ensina a última invocação da oração endereçada por Nosso Senhor a seu Pai – “ut unum sint, ut credat mundus” –, porque ela é o testemunho decisivo dos amigos de Cristo.

É inegável que muitos fatos do Concílio Vaticano II e do período sucessivo, relativos à dimensão humana deste acontecimento, representaram verdadeiras calamidades e causaram sentidas dores em grandes homens da Igreja. Mas Deus não permite que Sua Igreja possa chegar à autodestruição.

Não podemos considerar a dureza do fator humano sem ter confiança no divino, ou seja, na Providência que, sempre respeitosa da liberdade humana, guia a história, e em particular a história da Igreja.

A Igreja é ao mesmo tempo instituição divina, divinamente garantida, e obra dos homens. O aspecto divino não apaga aquele humano – personalidade e liberdade – nem necessariamente o inibe; o aspecto humano, permanecendo inteiro, e mesmo comprometendo, não apaga jamais o divino.

Por razões de Fé, mas também em razão das confirmações, ainda que lentas, que observamos no plano histórico, cremos que Deus preparou e continua a preparar no curso destes anos homens dignos para remediar os erros e abandonos que todos nós deploramos. Já surgem, e surgirão sempre mais, obras santas, isoladas umas das outras, mas que uma estratégia divina coliga à distância e assim a ação se torna um desenho ordenado, como aquela que ocorreu milagrosamente na época da dolorosa revolta de Lutero.

Estas intervenções divinas parecem se multiplicar na medida em que os fatos se complicam. O futuro o provará, e disto estamos convencidos, e já parece raiar a aurora.

Durante alguns instantes, a aurora, incerta, luta com as trevas, lentas a se retirarem, mas quando ela aponta já se sabe que o sol está lá e que ele percorre inevitavelmente seu curso nos céus.

Com Santa Catarina de Sena, nós queremos vos dizer: “Vinde a Roma com toda segurança”, à casa do Pai comum que nos foi dado como princípio e fundamento visível e perpétuo da unidade católica.

Vinde participar deste bendito futuro em que já se entrevê, a despeito das trevas persistentes, a aurora.

Vossa recusa aumentaria as trevas e não a luz. E já são numerosos os raios de luz que nós contemplamos, a começar da grande restauração litúrgica operada pelo motu proprio “Summorum Pontificum”. Ele suscita no mundo inteiro um grande movimento de adesão da parte de todos aqueles, e notadamente dos jovens, que pretendem engrandecer o culto do Senhor.

Como não considerar ainda os outros gestos concretos e carregados de significado do Santo Padre, como a remissão das excomunhões aos bispos ordenados por Dom Lefebvre, a abertura de um debate público sobre a interpretação do Concílio Vaticano II à luz da Tradição e, consequentemente, a renovação da Comissão Ecclesia Dei?

Restam certamente certas perplexidades, pontos a aprofundar ou a esclarecer, como sobre o ecumenismo e o diálogo inter-religioso (que ademais já foi objeto de um importante esclarecimento trazido pela declaração Dominus Iesus da Congregação para a Doutrina da Fé de 6 de agosto de 2000) ou sobre a maneira em que é compreendida a liberdade religiosa.

Também sobre estes temas, vossa presença canonicamente garantida na Igreja ajudará a trazer mais luz.

Como não pensar na contribuição que vós podereis dar, graças a vossos recursos pastorais e doutrinais, a vossa capacidade e sensibilidade, para o bem de toda a Igreja?

Eis o momento oportuno, a hora favorável para retornar. Timete Dominum transeuntem: não deixeis passar a ocasião da graça que o Senhor vos oferece, nem a deixeis passar a vosso largo sem a reconhecerdes.

O Senhor vos concederá outra?

Não deveremos nós todos comparecer um dia diante do Seu Tribunal e responder não somente pelo mal praticado mas sobretudo pelo bem que nós teríamos podido fazer e que não realizamos?

O coração do Santo Padre palpita: ele vos espera ansiosamente porque vos ama, porque a Igreja precisa de vós para uma profissão de fé comum no meio de um mundo sempre mais secularizado e que parece voltar irremediavelmente as costas a seu Criador e Salvador.

Na plena comunhão eclesial, com a grande família que constitui a Igreja Católica, vossa voz jamais será desprezada, vosso engajamento não será negligenciável ou negligenciado, mas poderá dar, com os de tantos outros, frutos abundantes que de outro modo permaneceriam dispersos.

A Imaculada nos ensina que muitas graças são perdidas porque elas não são pedidas: nós estamos convencidos de que, em respondendo favoravelmente à oferta do Santo Padre, a Fraternidade Sacerdotal São Pio X se tornará um instrumento para acender novos raios nos dedos de nossa Mãe Celeste.

Neste dia que lhe é dedicado, que São José, esposo da Bem-Aventurada Virgem Maria, Patrono da Igreja universal, queira inspirar e sustentar vossas resoluções: “Vinde com segurança a Roma”.

Roma, 19 de março de 2012

Solenidade de São José

Pe. Nicola Bux

publicado por Afonso Miguel às 22:05 | link do post | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 13.10.11

Tudo nas mãos da FSSPX [VI]

O encontro em Albano (arredores de Roma), sobre o qual fiz aqui réplica do pedido de oração lançado pela FSSPX alemã, parece ter corrido na maior tranquilidade. E embora a especulação tome o seu lugar nestes casos, com informações aparentemente mal fundadas de descontentamento generalizado face à proposta do Preâmbulo Doutrinal, fiquei com a esperança de que a resposta da fraternidade será mais breve do que o que se prevê, no sentido de uma espectável reaproximação e resolução canónica. Ainda que o acordo acarrete naturalmente cedências de parte a parte, o que sei preocupar muitos católicos ligados ou com simpatia à luta tradicionalista, há que ter sobretudo em conta se as ditas cedências da Santa Sé são as necessárias a uma vitória para a Igreja, imediata e/ou a longo prazo. De facto, é isso e só isso que interessa e, alcançado esse objectivo, fica cumprida a nobre e histórica missão da Fraternidade de São Pio X, bem como a verdadeira intenção reformista que certamente marcará este pontificado.


 


Reforço pois o pedido de oração, para que as próximas reuniões e respectivas decisões sejam de acordo com o supremo bem que importa alcançar: a revitalização da religião. Hoje acredito, mesmo que minado pelas normais dúvidas e receios que todos temos, que Roma deseja ardentemente alcançar uma situação win-win. Recomendo em especial aos leitores que sejam membros do Apostolado da Oração que incluam esta intenção no oferecimento diário ao Sagrado Coração de Jesus.

publicado por Afonso Miguel às 22:19 | link do post | comentar
Quarta-feira, 05.10.11

Tudo nas mãos da FSSPX [V] - Pedido de oração

Distrito alemão da FSSPX pede oração pelo encontro de Mons. Fellay com os superiores distritais da fraternidade nos arredores de Roma, a 7 de Outubro, para discutirem o Preâmbulo Doutrinal. A tradução é do Fratres in Unum:


 



Distrito Alemão da FSSPX | Tradução: Fratres in Unum.com: O Superior do Distrito da Alemanha, Padre Franz Schmidberger, une-se ao pedido de oração do Superior do Distrito dos Estados Unidos, Padre Arnaud Rostand.


 


A oração comunitária pelo encontro planejado dos Superiores em Roma:


 


Conforme já mencionado, o Superior Geral, Dom Fellay, convidou todos os superiores distritais da Fraternidade Sacerdotal São Pio X a um encontro extraordinário na Casa da Fraternidade em Albano, próximo a Roma.


 


Esse encontro é muito importante para o futuro de toda a Igreja. Uma vez que o encontro geral ocorrerá no dia 7 de outubro (Festa de Nossa Senhora do Rosário), pedimos a todos os fiéis que neste dia rezem todas as 15 dezenas do Rosário nessa intenção e implorem a ajuda da Santíssima Virgem Maria.


 


Uma vez que o dia 7 de outubro também coincide com a primeira sexta-feira do mês, sendo assim a sexta-feira do Coração do Jesus, gostaria de pedir a todos que puderem que apóiem a Fraternidade indo a Santa Missa e fazendo adoração ao Santíssimo Sacramento, conforme prescrito na oração ao Sacratíssimo Coração de Jesus.



 


Nossa Senhora do Rosário de Fátima, rogai por nós!

publicado por Afonso Miguel às 21:19 | link do post | comentar
Quinta-feira, 22.09.11

Tudo nas mãos da FSSPX [IV]

No blog Messa in Latino, sempre bem informado, revelações sobre o conteúdo do Preâmbulo Doutrinal. A tradução no Fratres in Unum:


 



Por Enrico – Messa in Latino | Tradução: Giulia d’Amore.


 


No último dia 14 de setembro, foi apresentado a Mons. Fellay, convocado a Roma para buscar uma plena reconciliação, um “Preâmbulo Doutrinal” como base para o acordo. O texto, porém, não foi publicado, por pelo menos três razões: para permitir aos responsáveis pela Fraternidade Sacerdotal São Pio X um exame mais sereno, sem a pressão de quem viria nele, de alguma forma, armadilhas e cavalos de Tróia até no número de vírgulas; para preparar uma meditada ilustração ao Capítulo Geral da Fraternidade; e finalmente… para permitir, quem sabe, algumas emendas limitadas, lá onde uma passagem ou um adjetivo parecesse de fato pouco atraente à FSSPX.


 


Adquiridas as devidas informações e mesmo querendo respeitar, pelas mesmas razões já expostas, o vínculo de confidencialidade que protege o conteúdo do “Preâmbulo Doutrinal”, não queremos privar os nossos fiéis leitores de algum elemento de juízo suplementar.


 


Posso lhes dizer que, pessoalmente, eu não teria problemas em assinar o Preâmbulo. Mas eu não sou o Superior da FSSPX; ainda bem, diriam muitos… No entanto, constato múltiplas razões pelas quais aquele texto é uma surpresa positiva (digo surpresa porque Mons. Fellay, indo ao encontro, esperava uma proposta exclusivamente jurídico-canônica, ao invés de um texto doutrinal). Ousaria dizer que a relativização do Concílio, que este Preâmbulo permite, representa uma verdadeira vitória para a Fraternidade, um ponto extremamente significativo, como (se não mais) a solene afirmação do Motu Proprio segundo o qual a antiga liturgia nunca havia sido revogada. Mas a vitória para Mons. Fellay não significa a derrota de Roma; como eu já tinha escrito, um acordo – como também a demolição do “superdogma” conciliar – representa uma solução win-win[1], onde ambos os lados têm muito a ganhar.


 


O conteúdo do Preâmbulo, que, em última análise, é um documento muito sintético, pode ser resumido essencialmente em dois pontos. Começamos pelo segundo, porque é coisa simples: em poucas palavras, a FSSPX deve mudar os tons e expressar o que tem a dizer de um modo respeitoso e filial, além de colaborar lealmente com todos os outros grupos do Corpo Místico. Em linguagem clérigo-teológica, isto é chamado de “sentire cum ecclesia” [2].


 


O primeiro ponto do Preâmbulo – por outro lado, o mais importante – é a reproposição do conteúdo do cânon 750 do CIC [3], ou seja, da necessidade para um católico de aceitar o ensinamento do magistério segundo os graus de adesão previstos por aquele artigo e pela Carta Apostólica Ad tuendam fidem [4] de João Paulo II. Em resumo, há diferentes níveis de vinculabilidade ao ensinamento do Magistério: como esclarecia uma Nota Explicativa do, então, Cardeal Ratzinger, quando, em função de Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé: há verdades que a Igreja proclama divinamente reveladas e são, portanto, irreformáveis e devem ser acolhidas com “fé teologal”. Quem não crê não é católico. Tais são os dogmas de fé, sobre os quais, no entanto, a FSSPX não tem problema algum (Mons. Fellay fazia o exemplo do Dogma Trinitário). Idêntico assentimento de fé firme (e idêntica ausência de problemas para a FSSPX) concerne aquelas doutrinas sobre a fé ou a moral não fundadas diretamente nas Escrituras, mas infalivelmente ensinadas pela Igreja, porque assim proclamadas ou porque sempre repetidas pelo Magistério. Exemplos deste último tipo (que se leem justamente na Nota Explicativa) são a impossibilidade das ordenações de mulheres, a proibição da eutanásia, a canonização dos santos.


 


Exigem, no entanto, um mero “religioso assentimento da mente e do intelecto” aqueles ensinamentos do Magistério do Pontífice ou do Colégio dos Bispos que não se apresentam definitivos (talvez porque contradizem ensinamentos precedentes: por exemplo – o exemplo é nosso – a proibição de empréstimos a juros). A Nota da Congregação para a Doutrina da Fé se abstém prudentemente de fazer exemplos deste tipo, talvez porque seria como desclassificar os ensinamentos que viessem a ser elencados nesta categoria. O fato é que os ensinamentos mais controversos do Concílio, bem como o Magistério sucessivo que repetiu aqueles ensinamentos, não poderiam ascender (admitindo-se – e, como veremos, não aconteceu – que o alcançasse) a um nível de vinculatividade superior a este, uma vez que o Concílio declarou não querer definir nenhuma nova “verdade”, e que o próprio fato de serem proposições – se não em “ruptura”, pelo menos em “reforma” respeito ao Magistério anterior – as priva, inevitavelmente, de todo carácter de definitividade.


 


Na prática, pede-se à Fraternidade de assinar a profissão de fé à qual é obrigado todo católico; a coisa parece muito viável. Mas alguém poderia temer que aquela obrigação de “religioso assentimento da mente e do intelecto”, se aplicada a certos ensinamentos do Concílio, possa ferir, mesmo que não anule (em certas condições, pode-se discordar – mas não descaradamente – dos ensinamentos não definitivos), o direito de crítica ao Concílio. E aqui está a magnífica novidade.


 


Conforme reporta o comunicado oficial da Santa Sé, o Preâmbulo deixa, “à legítima discussão, o estudo e a explicação teológica de expressões singulares ou formulações presentes nos documentos do Concílio Vaticano II e do Magistério sucessivo”. Note-se que o objeto desta discussão, que é expressamente reconhecida “legítima”, não é apenas as interpretações dos documentos, mas o próprio texto destes: as “expressões ou formulações” usadas nos documentos conciliares. Estamos, portanto, muito além da mera hermenêutica: torna-se lícito criticar as próprias palavras (e não apenas o significado ou a interpretação dessas palavras) que os Padres conciliares escolheram para compor os documentos. Se as palavras usadas no Preâmbulo e, portanto, no comunicado oficial têm um sentido, estamos diante de uma revolução copernicana na abordagem do Concílio: ou seja, a mudança de um mero plano exegético para um substancial (este é um ponto que parece ausente na, não obstante, boa análise de Dom Morselli postada neste blog). No discurso de 15 de agosto, Mons. Fellay dizia que, para Roma, o Concílio é um tabu e que, portanto, ela se limita a criticar o invólucro externo, ou seja, a interpretação. Agora, porém, será lícito enfrentar também o núcleo. O que implica também que, aquelas passagens textuais controversas,  enquanto livremente discutíveis, não requerem sequer aquele grau menor de adesão que consiste no “religioso obséquio”.


 


No mesmo sentido se exprime também o Abbé Barthe [5], especialista conhecedor das coisas eclesiásticas, neste iluminante artigo que vos exorto a ler, como também o vaticanista do Le Figaro.


 


Lembrar-se-ão como, nos últimos meses, os graves ensaios de um Gherardini [6] ou de um de Mattei [7] tenham recebido apressadas condenações (em vez de aprofundadas e meditadas críticas), com base na apriorística acusação de colocar-se contra o Papa, que do Concílio criticou apenas a hermenêutica da ruptura e não os textos em si, que alguém (penso em P. Cavalcoli [8]ou em Introvigne [9]) gostaria de “dogmatizar” até o ponto de considerar definitivos. Bem, como muitas vezes acontece quando se é mais papistas do que o Papa: Gherardini-de Mattei 1 – Equipe dos neocon [10] 0.


 


E um grande sucesso para Mons. Fellay, para a Igreja e para o Papa Bento, que se preocupa profundamente com duas coisas: a reversão de uma dolorosa ruptura eclesial e o redimensionamento do totem Concilio [11], a respeito do qual, em tempos insuspeitos, disse (Alocuções aos Bispos do Chile, de 13 de julho de 1988):


 


“A verdade é que esse Concílio particular não definiu nenhum dogma sequer, e deliberadamente escolheu permanecer num nível modesto, como um concílio meramente pastoral; e no entanto muitos o tratam como se ele se fizesse uma espécie de superdogma que retira a importância de todo o resto. [...] Não se suporta que se critiquem as decisão que foram tomadas pelo Concílio; por outro lado, se alguém coloca em dúvida as regras antigas, ou até as verdades principais da fé – por exemplo, a virgindade corporal de Maria, a Ressurreição corpórea de Jesus, a imortalidade da alma etc. – ninguém protesta, ou apenas o faz com a maior moderação”.


 


Enrico


 





[1] N.Trª.:  Wikipédia.




[2] N.Trª.: “Sentire cum Ecclesia” é um termo que foi cunhado por Santo Inácio de Loyola – o fundador dos jesuítas. Significa “Pensar com a Igreja”. Participação plena da vida eclesial em todas as suas dimensões e na pronta obediência aos Pastores, especialmente ao Romano Pontífice.




[3] N.Trª.: “Crer que a Igreja é “santa” e “católica” e que ela é “una” e “apostólica” (como acrescenta o Símbolo niceno-constantinopolitano) é inseparável da fé em Deus Pai, Filho e Espírito Santo No Símbolo dos Apóstolos, fazemos profissão de crer em uma Igreja Santa (“Credo… Ecclesiam”), e não na Igreja, para não confundir Deus com suas obras e para atribuir claramente à bondade de Deus todos os dons que ele pôs em sua Igreja”.




[4] N.Trª.: Ad tuendam fidem.




[5] N.Trª.: Abbé Claude Barthe – Wikipédia (em Francês).




[6] N.Trª.: Mons. Brunero Gherardini, autor do livro “Il Concilio Vaticano II. Un discorso da fare” (2009).




[7] N.Trª.: Roberto de Mattei, autor e historiados católico italiano, escreveu o “Il Concilio Vaticano II. Una storia mai scritta” (2010).




[8] N.Trª.: Refere-se a Padre Giovanni Cavalcoli.




[9] N.Trª.: Refere-se a Massimo Introvigne, escritor, filósofo e sociólogo italiano.




[10] N.Trª.: Neoconservadorismo (ou neocon) é uma corrente da filosofia política que surgiu nos Estados Unidos a partir da rejeição do liberalismo social, relativismo moral e da contracultura da Nova Esquerda dos anos sessenta. vide



[11] N.Trª.: Do latim: “Concílio


publicado por Afonso Miguel às 18:15 | link do post | comentar
Sexta-feira, 16.09.11

Tudo nas mãos da FSSPX [III]

Andrea Tornielli escreve sobre o preâmbulo:


 



Un texto breve y meditado, que recalca la "Professio Fidei" publicada en 1989 por el antiguo Santo Oficio y que indica tres diversos grados de asentimiento a los que está obligado el fiel. En sustancia, el católico se compromete a creer "con fe firme" lo que está "contenido en la Palabra de Dios" y lo que la Iglesia propone "como revelación divina".  En segundo lugar, se compromete a acoger todos los dogmas declarados tales hasta el día de hoy. Para terminar, y es el punto problemático para los lefebvrianos, se pide que adhieran "con religioso obsequio de la voluntad y del intelecto" a los enseñamientos que el Papa y el Colegio de los Obispos "proponen cuando ejercitan su magisterio auténtico", aunque no sean proclamados de modo dogmático, es decir, definitivo. Es esta la parte más consistente del magisterio, de la cual forman parte, por ejemplo, las encíclicas. Y en la cual se localizan también muchos de los documentos del Vaticano II, que como todo el magisterio, explica la Santa Sede, tienen que ser leídos bajo la óptica de la tradición, como desarrollo y no como ruptura con la doctrina precedente, según la hermenéutica propuesta por Benedicto XVI.


 


"Aceptar la profesión de fe contenida en el preámbulo –explica a La Stampa un prelado del Vaticano- no significa para los lefebvrianos tener que renunciar a la posibilidad de discutir ésta o aquélla afirmación de los textos conciliares, o hacer callar la discusión sobre su interpretación". Pero las diferentes interpretaciones "no pueden ser usadas como pretexto para rechazar el magisterio".



 


Sobre a proposta de enquadramento canónico, afirma:


 



Un "preámbulo doctrinal" de dos páginas, con la invitación a pronunciarse aceptándolo en un mes o poco más. Transformar la Fraternidad de San Pío X en una "prelatura personal", como el Opus Dei. Estas son las propuestas que ayer por la mañana el Obispo Bernard Fellay, superior de los lefebvrianos,  recibió en nombre del Papa de manos de Monseñor William Levada, Prefecto de la Congregación para la Doctrina de la Fe, y del Secretario del la Comisión Ecclesia Dei, Guido Pozzo.



 


E um ponto especialmente interessante para a Igreja portuguesa:


 



El Vaticano por su parte ha dicho que es necesario hablar de hechos individuales -por ejemplo los abusos litúrgicos en ciertos países- pero sin por ello poner en discusión el magisterio del Papa.



 


Os destaques a negrito são meus.


 


***


 


O Rorate Caeli comenta o artigo.

publicado por Afonso Miguel às 16:08 | link do post | comentar
Quinta-feira, 15.09.11

Tudo nas mãos da FSSPX [II]

Rádio Vaticano fala em prelatura pessoal:


 



"Dentre as soluções canônicas, a mais provável é a da criação de uma Prelazia pessoal internacional."


publicado por Afonso Miguel às 16:42 | link do post | comentar
Quarta-feira, 14.09.11

Tudo nas mãos da FSSPX [actualizado]


A Fraternidade Sacerdotal de São Pio X foi hoje recebida no Vaticano para encerrar as discussões doutrinais que iniciou com Roma em 2008 e receber a proposta de reconciliação do Santo Padre. Tudo aponta para a criação de uma prelatura pessoal, a exemplo do Opus Dei, mas a incerteza paira ainda no ar. Segundo o comunicado da Sala de Imprensa da Santa Sé, "a Congregação para a Doutrina da Fé toma por base fundamental para a plena reconciliação com a Sé Apostólica a aceitação do Preâmbulo Doutrinal que foi entregue durante o encontro de 14 de Setembro de 2011. Este preâmbulo enuncia alguns dos princípios doutrinais e os critérios de interpretação da doutrina católica necessários para garantir a fidelidade ao Magistério da Igreja e o sentire cum Ecclesia, deixando, ao mesmo tempo, abertos a uma legítima discussão o estudo e a explicação teológica de expressões ou de formulações específicas presentes nos textos do Concílio Vaticano II e do Magistério que o seguiu. Durante a mesma reunião, foram propostos alguns elementos em vista de uma solução canónica para a Fraternidade Sacerdotal São Pio X, que seguiria a eventual e esperada reconciliação." O que contém este preâmbulo ou que soluções foram exactamente apresentadas, só Mons. Fellay poderá agora esclarecer. Garante-nos a DICI que o superior-geral da fraternidade irá pronunciar-se até ao fim do dia. Aguardemos...


 


***


 


Actualizações:


 


- Será que me enganei no ponto 4?


 


- O Preâmbulo Doutrinal terá de permanecer em segredo, informa o Vatican Insider. Portanto, ao que parece nem Mons. Fellay poderá esclarecer o seu conteúdo, ao contrário do que havia aqui afirmado.


 


- Como prometido, eis a primeira reacção pública de Mons. Bernard Fellay, em entrevista à DICI.

publicado por Afonso Miguel às 14:44 | link do post | comentar
Sábado, 20.08.11

Rezemos

A FSSPX foi chamada a Roma para, no próximo dia 14 de Setembro, discutir a situação canónica da fraternidade.

publicado por Afonso Miguel às 16:25 | link do post | comentar
 

posts recentes

escudo_ASC
facebook-button twitter-button

links

revistanaçaoportuguesa

tags

arquivo

RSS