A culpa deve ser da Tradição

A Vigília Pascal da minha paróquia foi pornográfica. Uns trinta marmanjos para serem baptizados - maior parte dos quais não sabe rezar um Pai Nosso de seguida - na galhofa, como se estivessem num qualquer centro comercial para comprar as últimas calças da moda, com a famelga atrás e os putos aos berros. Perante isto, houve quem tivesse saído indignado e houve quem tivesse ficado para se indignar ainda mais. Dizem as testemunhas que um desses cabrões foi comungar e comentou com a namorada que "aquela cena sabe mal". Pelo meio, dizem também ter visto uma ministra extraordinária da comunhão, ajudante habitual do prior, arduamente empenhada em repeti-lo em tudo. Parece ser uma daquelas tipas do Nós somos Igreja e acha-se com mãos consagradas. Vai daí, toca de persignar as testas de umas pobres criaturas que sabem não poder comungar mas que, ainda assim, lá vão receber um Sinal da Cruz. E ela, tal e qual como o sacerdote, de polegar esticado e numa pornografia litúrgica que extravasa os limites da paranóia conciliarista, fez-lhes - como sempre faz - uma benção.


 


Difícil de imaginar? Difícil de encontrar responsáveis? Tanto motivo de indignação deve ser culpa da Tradição Católica, claro está. Do padre modernista cá da freguesia é que não é de certeza...

publicado por Afonso Miguel às 23:58 | link do post | comentar