A História ao serviço da ideologia

Depois de Monsenhor Williamson e de Le Pen, só para referir os casos mais recentes, também o presidente iraniano Mahmud Ahmadinejad se vê a braços com a habitual censura: três palhaços e outros tantos comediantes armados em corajosos diplomatas. Estes últimos, abandonaram de imediato a conferência sobre o racismo que a ONU promoveu em Genebra.

Quando a História fica mais uma vez ao serviço da conveniência ideológica, caminhamos para o tenebroso futuro de Orwell. E a passos largos!
tags:
publicado por Afonso Miguel às 23:47 | link do post | comentar