Arrebenta a bolha

O regime democrático tem telhados de vidro e Vital Moreira sabe disso. Quando diz que Sócrates terá de pedir a demissão se não tiver a maioria absoluta, sob pena de uma instabilidade governativa, está a admitir que o sistema de partidos eleitos distribuídos por uma assembleia representativa (?) pode constituir, em certos casos, a sua própria destruição. Bem vistas as coisas, alguém que afirma que uma consequência eleitoral absolutamente normal, legitima e própria (a maioria relativa), prejudica e traz instabilidade, entra numa ofensiva anti-democrática, talvez sem precedentes. Por outro lado, assume-se apenas como mais um terrorista do regime, usando uma táctica bem conhecida: a chantagem. Está muito na linha da acomodada elite autárquica portuguesa que amedronta todos os que dependem das câmaras municipais para ter casa paga num qualquer bairro social: ou põem o voto no partido X ou não há chupeta.

No fundo, o candidato socialista às europeias não faz mais do que desvendar a lógica política vigente. Se o PS não detiver o poder absoluto durante quatro anos, tendo que se submeter a toda a espécie de impedimentos ou de favores à oposição, grita "arrebenta a bolha" e acaba-se a brincadeira. E ficamos assim a saber quanto valem as decisões populares...
tags:
publicado por Afonso Miguel às 23:23 | link do post | comentar