Como dois e dois serem quatro [II]

Aos quatro anos de vida blogosférica, o João Marchante publica com uma clareza de ideias que merece réplica. Sucinto, como sempre, declara assim:


 



«Católico, que sou, não voto. Porque nenhum candidato defende a Vida e a Família — valores fundamentais do humanismo cristão e pilares tradicionais da nossa comunidade.


 


Patriota, que sou, não voto. Porque nenhum candidato dá garantias de defender a Nação Portuguesa contra os ataques materiais e espirituais vindos do exterior e do interior.


 


Realista, que sou, não voto. Porque este decadente regime republicano não pode continuar a ser legitimado; e, deve ser questionado, a partir de uma abstenção superior à votação.»



 


Parabéns ao Eternas Saudades do Futuro.

publicado por Afonso Miguel às 14:57 | link do post | comentar