6 comentários:

Miguel Coelho a 17 de Março de 2014 às 08:35
Repare que a frase da nota 4 não de Bento Domingues, ele ainda está a citar Dostoiévsky. Eu também estranhei uma frase dessas dita por esse senhor e só depois é que reparei que a citação apenas termina no final desse parágrafo.
Afonso Miguel a 17 de Março de 2014 às 14:37
Está a citar e a fazer suas as palavras de Dostoiévsky.
Miguel Coelho a 17 de Março de 2014 às 19:04
Quer-me parecer que o propósito da citação é valorizar as tentações e não o tentador. E no caso de ele fazer suas as palavras de Dostoiévsky, então está a afirmar que o tentador é o diabo, que era isso que Dostoiévsky tinha em mente.
Afonso Miguel a 17 de Março de 2014 às 19:21
Então Dostoiésky acha que o diabo tem uma "inteligência eterna e absoluta"?
Miguel Coelho a 18 de Março de 2014 às 15:17
Entendo isso como uma hipérbole, como liberdade artística. Se for tomado à letra, é o próprio Dostoiésky quem afirma que Deus é o tentador.
Afonso Miguel a 18 de Março de 2014 às 16:50
A hipérbole e a liberdade artística são tão relativas que não as posso considerar. Em todo o caso, em caso de dúvida ou de tamanha subjectividade, há que não tomar por certo o que outros escreveram, sobretudo nestas matérias. E a considerar o que Frei Bento escreve depois sobre o pecado original e ar remissão dos pecados, nada me faz deixar de pensar que se associou à verborreia do autor citado.