Destruindo a Doutrina

A apreciação das palavras de D. José Policarpo feita no passado Domingo pode ser melhor compreendida com este exemplo:

Há tempos, no decorrer da mediática polémica sobre as palavras do Bento XVI acerca do preservativo, um sacerdote católico foi confrontado na TVI24 com uma telespectadora que lhe perguntou o que fazer nos casos de cultura poligâmica em África. Dizia a senhora que, em determinados territórios daquele continente, existe uma tradição familiar assente nessa forma de relação e organização, o que facilita a propagação do vírus da SIDA caso o preservativo não seja usado. E questionava ainda se seria aceitável que as crianças nascessem infectadas por causa da "proibição" de contraceptivos por parte da Igreja.

A estas interpelações senis, o sacerdote (professor de teologia na Universidade Católica Portuguesa) respondeu que, atendendo a esse factor cultural, haveria lugar para considerar a situação como um "mal menor", sendo por isso preferível o uso do preservativo de modo a prevenir o contágio. Mais: disse ser esta a posição da Igreja que, não defendendo a distribuição daquele método, o admite nestas circunstancias embora lembrando sempre que é falível.

Eis como, deturpando a Doutrina e fazendo crer que essa deturpação corresponde ao que o magistério papal verdadeiramente ensina sobre a matéria, se transformam as palavras do Santo Padre em algo que, em absoluto, não são. Foi o que fez o Patriarca de Lisboa, embora de uma outra forma bem mais rebuscada e inteligente: colocou-as no campo da eficácia do contraceptivo em lugar de as ler na sua real matriz, que é a da moral. Uma matriz que levaria o sacerdote em questão a condenar, em primeiro, a cultura poligâmica, ao invés de admiti-la como legitima no seu modernista argumento do "mal menor".

E o que deve continuar a revoltar-nos é que um é Príncipe da Igreja e o outro lecciona aos futuros padres das nossas pobres dioceses, enquanto atentam gravemente contra a missão do Sumo Pontífice.
tags:
publicado por Afonso Miguel às 20:05 | link do post | comentar