Do ridículo

Quando hoje soube que dois "homossexuais" (?) tinham feito um ritual de emparelhamento gay na Sé de Lisboa - ou às portas de - pensei que das duas uma: ou o Januário Torgal estava metido nisso, ou tratava-se de uma palhaçada qualquer sem importância. Felizmente, por enquanto ficou-se pela palhaçada. E até podia ser que fosse alguma coisa digna de irmos correr à pedrada com um grupo de paneleiros profanadores, estilo Lyon, mas não. Foi tão ridículo e tão LGBTmente orquestrado que até dá pena...

publicado por Afonso Miguel às 23:02 | link do post | comentar