Estado Social party

As opiniões que aparecem nos media tradicionais sobre os acontecimentos da Bela Vista, em Setúbal, são quase todas patéticas (a do "bispo vermelho" incluida) e assaz esclarecedoras quanto ao estreitamento ideológico que nos impuseram. Trinta e cinco anos de democracia socialista são bastante e, por isso, não trazem nada de novo. A cartilha da inclusão social é posta em cima da mesa, qual apologia dogmática do sagrado Estado Social, e ficamos esclarecidos: o sistema tem de ser melhorado - ponto final, parágrafo - como se a valiosa receita valesse por si mesma e a culpa fosse sempre de quem a cozinha.

Nós sabemos que o problema é bem mais sério e não se compadece com mais do mesmo. O problema é que ninguém põe no tacho o tempero da autoridade moral. O problema, meus amigos, é que o prato do sistema está cada vez melhor! Essa é que é a realidade! Tão bom, mas tão bom, que até implode em festa ao som de tiros, com cocktails molotov a voar em direcção à esquadra mais próxima, carros e património público a arder em plena estrada, gangs revoltados por quererem ser a máfia da "tuga gente", mais uns bonés virados ao lado, uns brincos de ouro roubado, umas calças meio caídas e uns popós todos quitados. Tudo em alta festança no seio de um mar de casas dadas de mão beijada, a troco de eleitores dispostos a cumprir a intelectualice popular da cruzinha. É Estado Social, pois claro, puro e duro e a comemorar estar gordo e anafado ao ponto de rebentar pelas costuras, tal foi a mama que deu à boca alheia enquanto deixa os seus a dormir nas arcadas no Terreiro do Paço.

O que se está a passar na Bela Vista é a party do ano. O dress code está a ser seguido à risca e o consumo mínimo é elevadíssimo... mas para os donos da casa. A ressaca então vai ser de estalo!

ps: o catering está a cargo de gente especializada.
tags:
publicado por Afonso Miguel às 23:02 | link do post | comentar