Justo pedido de esclarecimento

Corre em blogs e por e-mail, com todo o meu apoio. Há que encosta-los à parede:


 


A quem possa interessar, sugere-se que escreva ao Sr. D. José Policarpo um email para o endereço gab.patriarca@patriarcado-lisboa.pt solicitando público esclarecimento da notícia recentemente saída:




Assunto: pedido de confirmação ou desmentido da notícia do jornal 'i'




Eminência,




Em face da notícia publicada por um jornal* e tendo presente que todos somos Igreja, vimos solicitar respeitosamente:




1. Confirmação ou público desmentido da notícia publicada pelo jornal i: o Bispo de Lisboa tem contactos privados com José Sócrates? É chamado a S. Bento e comparece?




2. Declaração de que não foi nem será solicitado ao Governo qualquer apoio financeiro para a construção da nova Igreja do Restelo - ou então, a existir, de que esse apoio não estaria condicionado à "não-beligerância" da Igreja na questão do casamento homossexual;




3. Informação aos fiéis de quando e onde foi pela Conferência Episcopal Portuguesa decidido que, na questão do referendo ao casamento homossexual, a igreja se absterá de sair à rua.




4. Explicitação da situação em que falava ao prometer que a Igreja Portuguesa não sairia á rua: tinha mandato da Conferência Episcopal Portuguesa ou falava em nome do Vaticano?




Saudações natalícias,

(nome)




------------------------------
-----

* edição online do jornal 'i' -
http://www.ionline.pt/conteudo/38003-socrates-tranquilo-cardeal-recusa-guerra-santa-ao-casamento-gay



«O cardeal-patriarca de Lisboa, D. José Policarpo, garantiu a José Sócrates que a decisão do governo não provocará nenhuma guerra santa, soube o i. A Igreja continuará a repetir a sua doutrina sobre o assunto mas não sairá à rua. José Sócrates e D. José Policarpo têm encontros que não são públicos: o primeiro-ministro recebeu o cardeal na residência oficial antes de anunciar o novo governo, mas o encontro não constava da agenda. Aquela que era para ser uma reunião discreta foi descoberta pelas televisões que estavam à porta da residência oficial do primeiro-ministro na tentativa de ficar a saber quais as personalidades com quem se reunia antes da formação do governo. Dias mais tarde, D. José Policarpo garantia que a formação do governo não fez parte dos temas da conversa com o primeiro-ministro.»

publicado por Afonso Miguel às 00:08 | link do post | comentar