Pela reposição da verdade histórica

Um comentário certeiro do Dux Bellorum sobre Nino Vieira, a frente de batalha comunista em África e os traidores da Pátria:
O facto de ser negro não interessa nada. Não nos podemos esquecer é que Nino Vieira recebeu treino em Cuba, na URSS e na China. Só se formos ingénuos ao ponto de acreditar que o antigo Bloco de Leste ajudava os guerrilheiros africanos "por amor à liberdade", é que não chegaremos à conclusão óbvia que Nino Vieira, tal como os outros "independentistas" serviram a causa soviética contra a nossa Pátria. Portanto, estamos a falar de mercenários africanos ao serviço do comunismo internacional.

Quanto às palavras amáveis de Nino Vieira, aqui reproduzidas pelo autor do blogue, fazem parte de uma "cassete" utilizada por todos os "turras" depois da independência. É a diplomacia conveniente. Até os selvagens da UPA, responsáveis por massacres e violações em série, diziam maravilhas de Portugal e dos portugueses quando precisavam do apoio do governo português.
Esses turras nunca passaram de negreiros ao serviço de Moscovo. Digo "negreiros" porque esse é o nome correcto para os angariadores de escravos, actividade que os "independentistas" realizavam quando iam raptar jovens às aldeias e lhes punham uma AK-47 nas mãos. Muitos jovens africanos foram obrigados a combater sob ameaça de lhes matarem a família caso não o fizessem. PAIGC, MPLA e FRELIMO tiveram muitos escravos a combater nas suas fileiras.

Os turras têm a atenuante de serem selvagens, apesar de terem servido o imperialismo soviético. Mas o que dizer daqueles militares e políticos portugueses (desde o MFA aos governos socialistas, passando pela JSN e PREC) que andaram aos beijos e abraços com o inimigo após a independência? Aqueles que trocaram a sua família colectiva (a Pátria) por um punhado de lacaios comunistas... Esses são os traidores, os filhos castrados de uma Pátria vendida. Falam dos terroristas africanos com ternura, como uma criança ingénua que afaga a hiena que acabou de devorar a sua família.

Dux Bellorum
tags:
publicado por Afonso Miguel às 12:56 | link do post | comentar