Um fim e um início


Este ano o Natal blogosférico não nos trouxe bons presentes. Pelo contrário. Encerraram dois espaços que eram marcos importantes de uma pequena roda de pessoas que sabem pensar Portugal e o mundo: o FSantos saiu de vez destas lides e o Euro-Ultramarino cansou-se da infernal realidade em que vivemos. Duas ausências que serão muito sentidas entre os católicos da rede e que, de certa forma, assinalam o fim de algo. Já o Pedro Guedes tinha deixado de escrever, vai para um ano...


 


O importante agora será talvez compreender o que acaba e que consequências deixa. Da minha parte, penso que a mais significativa herança da moribunda "blogosfera nacional" é um grupo de tradicionalistas que não desistem de escrever contra o progressismo, denunciando a heresia e o estado calamitoso a que chegou a Igreja, e apresentando a proposta cristã de comunidade política e verdadeira caridade cristã. De facto, o contexto do combate pela Tradição Católica alterou-se de tal forma com a eleição de Bento XVI que surgiu novo fôlego nas nossas hostes, o que se traduziu naturalmente no aparecimento de blogs ligados à causa restauracionista e, sobretudo, no reforço dos já existentes. E como os frutos deste "movimento" se prevêem muito bons - contrariando a tendência para o desaparecimento de outro tipo de espaços tradicionais - continua viva a iniciativa privada de alguns fiéis que, dentro das suas possibilidades, conseguem mais para o Reino de Deus que a maioria dos sacerdotes. Criaram-se laços de confiança entre nós e encontraram-se os denominadores comuns necessários para que possamos levar avante um projecto de efectiva promoção e defesa da Missa de Sempre e da imutável Doutrina, que envolve inúmeras pessoas espalhadas pelo país.


 


Assim sendo, a grande consolação pelas perdas é, sem dúvida, a renovada certeza de que estamos cada vez mais próximos de saltar as barreiras da blogosfera, tendo nesta o ponto de partida para um patamar superior de acção. Estão criadas as condições. Saibamos pois aproveita-las.


 


É neste quadro de esperança, contra todas as adversidades que nos impõem, que a "Tribuna" deseja uma santa Oitava do Natal aos seus leitores.


 


***


 


A propósito:


 


"E se Jesus está presente, já não existe tempo algum sem sentido e vazio. Se Ele está presente, podemos continuar a esperar mesmo quando os outros já não conseguem garantir-nos qualquer apoio, até quando o presente se torna cansativo."  (Bento XVI, Homilia pronunciada na celebração das Vésperas do primeiro Domingo do Advento, Sábado, 28 de Novembro de 2009).

tags:
publicado por Afonso Miguel às 21:13 | link do post | comentar