Uma rocha sólida

Não sou dos que descobriram a blogosfera de direita n' O Sexo dos Anjos; não sou dos que liam o Manuel Azilnhal todos os dias; não sou dos que abriram casas pelo impulso do que por lá se escrevia; não sou, enfim, dos denominados "pontos de partida" que seis anos de publicação deixaram. Fui um visitante casual, por vezes fugaz, que via n' O Sexo dos Anjos uma referência de outras referências minhas. E isso mereceu-lhe sempre o meu maior respeito e admiração.


 


No momento em que o Manuel Azinhal decide encerrar aquela rocha sólida do nacionalismo português, não posso deixar de lhe agradecer a persitência e o legado que (me) deixou.

publicado por Afonso Miguel às 12:53 | link do post | comentar